Agenda de Palestras Nazareno Feitosa atualizada em 25/08/2014

Agenda de Palestras Nazareno Feitosa atualizada em 25/08/2014

OBS 1: Como o expositor ministra aulas de ESDE às quartas-feira das 20h-21h30, somente pode agendar palestras nas quartas durante os recessos do ESDE (janeiro, fevereiro, julho e agosto) ou, no máximo, uma quarta-feira por mês.

OBS 2: Em virtude de compromisso de ficar no máximo um fim de semana sim outro não sem a companhia da esposa, Nazareno não poderá assumir compromissos em finais de semana seguidos, exceto em turnês de férias ou quando sua esposa viajar com o mesmo.

                                    
                                                  2014

AGOSTO

Sex(1) a Dom(3/8): Palestras em Teresina/PI e Região
Inf.: Luciana Nascimento - luciana.nasci@hotmail.com

Sáb(19/7) 19h: Comunhão Espírita de Brasília
"Bezerra de Menezes: O Médico dos Pobres"
www.comunhaoespirita.org.br

Ter(12/8) 19h30: Palestra na SODEC - 909 Norte - Brasília
"Bezerra de Menezes: O Médico dos Pobres"


Sex(15)-Dom(17/8): Palestras em Primavera, Pres. Prudente/SP e Região
Inf.: Sociedade Espírita Casa do Caminho - secc@casadocaminho.com

Sáb(30/8) 19h - C. E. Bezerra de Menezes em Brazlândia/DF
"O Evangelho e a Alegria de Viver"

Dom(31/8) 17h - Palestra da Mostra Esp. Formosa/GO
"Chico Xavier e a Alegria de Servir"
Inf.: Fernando Samuel - fernandoosamuel@gmail.com

SETEMBRO

Qui(4/9) 8h30: Palestra via Skype - Cingapura (horário de Brasília)

Sex(5)-Dom(7/9): Palestras em Salvador, Alagoinhas/BA e Região

Inf.: Paulo Pereira - pereirasapucaia@gmail.com

Qua(10/9) 20h: C. E. André Luiz - Guará/DF - www.cealdf.org.br
"A Paz em Família"

Sex(12/9) 20h30: G. E. Irmão Estêvão - 909 Norte - Brasília

"Auto-Amor e AutoPerdão"


Dom(14/9) 19h: CEPAZ - C.E. Campos da Paz - Planaltina/DF
"Suicídio: Verdades e Mitos"

Sex(19)-Dom(21/9): Palestras em Aracaju, Itabaiana e Campo do Brito/SE

Inf.: Chico Leite - chicoleite.aju@gmail.com


Sáb(27/Set) 9h-18h Congresso s/ Dependência Química AJA com Jesus - Goiânia/GO
Inf.: Eurípedes Cipriano (62) 9283-3114 - 3286-6004.

Ter(30/9) 20h: Semana Espírita do Riacho Fundo, Núcleo Bandeirante e Candangolândia
Palestra no C.E. Bezerra de Menezes - ________________________
Inf.: Giovana (61) 9157-1947 - 8120-6364

OUTUBRO

Sáb(4/10) 15h: Palestra na FeDF - Federação Esp. do DF QMSW 5/301 Sudoeste Brasília
"Entendendo a Depressão" www.fedf.org.br
Sáb(4/10) 18h: Palestra no Instituto Vida - Areal/Águas Claras
"Tema Livre" - www.institutovidadf.com.br

Ter(7/out) 20h: Palestra no G. E. Frat. Casa do Vô - Núcleo Bandeirante/DF

"Jesus: Médico das Almas"

Qui(9/out) 20h: CEFRAT - Guará II QE 34 - DF

"O Cristo Consolador"

Sex(10) a Dom(12/10): Encontro da Família - USE Distrital Freguesia do Ó - São Paulo/SP
Inf.: Reginaldo Luiz - reginaldo.luiz2003@ig.com.br

Sex(17) a Dom(19/10): Palestras em Itabuna/BA e Região
Inf.: crisnovaisba1@bol.com.br

Sex(31/10) a Dom(02/11): Palestras em e Porto Alegre, Uruguaiana e Alegrete/RS

Inf.: Juares Leguiza de Miranda - parj6874@yahoo.com.br

NOVEMBRO

Sex-Dom(7-9/Nov): Estarei assistindo o CFN - Conselho Federativo Nacional - Brasília/DF

Seg(10/nov)-Seg(24/nov): Viagem ao exterior (França e Itália)


Ter(25/11) 19h30: Palestra na SODEC - 909 Norte - Brasília
"Tema Livre"

DEZEMBRO


Ter(16/12) 20h: G. E. Frat. Casa do Vô - Núcleo Bandeirante/DF

"Natal com Jesus"

Ter(23/dez) a Dom(4/jan): Palestras a agendar em Fortaleza/CE



2015

JANEIRO/2015

FEVEREIRO/2015


MARÇO/2015



Ter(24/03) 19h30: Palestra na SODEC - 909 Norte - Brasília
"Tema Livre"

ABRIL/2015: Bloqueado p/palestras só no DF em razão da divulgação do 3º Congresso Espírita do DF


MAIO/2015


Sex(15)-Dom(17/5): Palestras em Porto Alegre e Região
Centro Espírita Luz da Esperança de São Francisco de Assis - CELE
Inf.: Rita Viegas - ritaviegas2004@hotmail.com


Sáb(30)-Dom(31/5): Palestras em Presidente Prudente/SP
Inf.: Gilson Joaquim - sgtogilson@hotmail.com

JUNHO/2015



Ter(02/06) 19h30: Palestra na SODEC - 909 Norte - Brasília
"Tema Livre"

JULHO/2015

Sex(10)-Dom(12/7): Palestras em Nova Iguaçu/RJ e Região
Inf.: Gutemberg Paschoal - gutosom22@gmail.com

SETEMBRO/2015

Palestras em Americana/SP e Região
Inf.: Janaina Assis - janaina.assis@ymail.com

OUTUBRO/2015

Sex(18) a Dom(20/10): Palestras em Arapiraca/AL e Região

Sex(30/10) a Dom(01/11): Palestras em Jaboticabal/SP e Região

PRÓXIMAS PALESTRAS E SEMINÁRIOS:

OBS 1: Como o expositor ministra aulas de ESDE às quartas-feira das 20h-21h30, somente pode agendar palestras nas terças durante os recessos do ESDE (janeiro, fevereiro, julho e agosto) ou, no máximo, uma quarta-feira por mês.

OBS 2: Em virtude de compromisso de ficar no máximo um fim de semana sim outro não sem a companhia da esposa, Nazareno não poderá assumir compromissos em finais de semana seguidos, exceto em turnês de férias ou quando sua esposa puder viajar com o mesmo.

Para consultar a agenda atualizada ou convidar para palestras, envie mensagem para: nazarenofeitosa@gmail.com Agenda disponível em www.nazarenofeitosa.com.br

Biografia de Nazareno Feitosa (resumo)


BIOGRAFIA DE NAZARENO FEITOSA (RESUMO)

Nazareno Feitosa, natural de Fortaleza, reside atualmente em Brasília, onde é funcionário público. Tem formação em Direito e Administração, e iniciou o curso de psicologia.

Compõe a equipe de Divulgação da FEDF - Federação Espírita do Distrito Federal. É expositor espírita, monitor de ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita na Comunhão Espírita de Brasília e tem ministrado aulas de Estudo Sistematizado do Evangelho Segundo o Espiritismo e de EADE - Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita.

Participa também do Estudo, Educação e Desenvolvimento da Mediunidade e também ministra aulas sobre O Livro dos Médiuns.

É dedicado estudante do Evangelho de Jesus, das obras de Allan Kardec, André Luiz e Emmanuel.

Estudou ainda sobre terapia de regressão a vivências passadas e várias ferramentas de autoconhecimento, mas foi no Evangelho de Jesus que encontrou o roteiro mais excelente para as nossas vidas.

Nazareno tem dezenas de palestras gravadas que estão disponíveis em DVDs, CDs de áudio e CDs de MP3, cuja renda é revertida integralmente para as casas espíritas onde ministra palestras. Os vídeos de suas conferências também são veiculados na TV do Conselho Espírita Internacional - TVCEI.com.

FACEBOOK I  : http://www.facebook.com/nazareno.feitosa (lotado)
FACEBOOK II : http://www.facebook.com/NazarenoFeitosaII (aceita amigos)
TWITTER : @nazarenofeitosa

Legalização da Maconha: 5ª Audiência Pública do Senado. Fala de Nazareno Feitosa



Legalização da Maconha: 5ª Audiência Pública Senado. 
Fala do conferencista e especialista em dependência química e criminologia, Policial Federal Nazareno Feitosa. 

Se esse vídeo pode ser útil, clique em "gostei/curtir" no Youtube e compartilhe em suas 
redes sociais. 

Em meio a tantas falácias sobre o assunto e quase que somente convidados pró-legalização no Senado, conheça alguns dos muitos argumentos dos defensores da vida!



Veja mais em: www.youtube.com/playlist?list=PLK2BlVKy-eZds5bDT-zJcgCizVOKs1F57

Curta a página Movimento Brasil Sem Drogas: www.facebook.com/movimentobrasilsemdrogas?fref=ts

Participe das 2 próximas audiências públicas, assista ao vivo e comente desde uma semana antes no portal e-cidadania do Senado pela internet em:

Inscreva-se no canal www.youtube.com/nazarenofeitosa.

---------------------------​

LEMBRANDO: 

​Seg(22/9/14) 9h: 6ª e penúltima Aud. Púb. s/a Legalização da maconha.

Solicitamos a todos que, se possível, compareçam à audiência, iniciem a postagem de comentários uma semana antes no portal https://www12.senado.gov.br/ecidadania - Sugestão nº 08/2014.

Sua presença, comentários na net e e-mails para os senadores são muito importantes. 

Local: Plenário nº 2, Anexo II, Ala Senador Nilo Coelho, Senado Federal.
Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. 
O relator é o Senador Cristovam Buarque.

Conheça o Manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria (ABP):

18-19/Set: Sem. na UERJ Em Defesa da Vida - Capacitação de Multiplicadores p/as Escolas

18-19/Set: Seminário na UERJ Em Defesa da Vida - Capacitação de Multiplicadores p/as Escolas


Nos dias 18 e 19 próximos faremos o seminário "Em defesa da Vida Humana".
LOCAL: UERJ - rua São Francisco Xavier, 524, Maracanã - RJ - auditório 113 - 11º andar - bloco F. HORÁRIO: 18 (13:30 às 18:00)    19 (9:00 ás 18h)
O objetivo é capacitar para dar palestras em escolas de ensino médio sobre o tema aborto.
Serão concedidos certificados - CH, para os 50 primeiros que chegarem.
É também informar aos presentes sobre toda a contextualização que envolve este tema.
É valorizar a vida humana desde à concepção!
Não é necessária inscrição prévia, mas estamos fazendo um pré-cadastro por este e-mail para termos noção do alcance. Entrada Franca. Divulgue!
Segue arte e programação para divulgação:

PROGRAMAÇÃO - 1º dia:

HISTÓRICO DO CONTROLE POPULACIONAL 
(Eduardo Melo - . Graduado em Ciências pela Escola Naval, com especialização em Administração, estudou Economia pela Universidade Federal Fluminense; Mestre em Administração de Sistemas;  Pós-graduado em Liderança e Estado Maior;. Especialista em Educação foi Diretor do Colégio Everest Internacional e atualmente segue sua especialização em Filosofia e Ciências da Família)
- Origem;
- Objetivos;
- Estratégias;
- Quem são;
- Últimas ações;
- Principais enganos e erros;
- Argumentos, contra argumentos e respostas.

ESTATUTO DO NASCITURO - PL 478/2007, que tramita na Câmara dos Deputados
PROJETO DE REFORMA DO CÓDIGO PENAL – DIREITO A VIDA - PLS 236/2012, que tramita no Senado Federal.
(Paulo Silveira Martins Leão Jr.-  Bacharel em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ; Advogado, desde 1979; Procurador do Estado do Rio de Janeiro (atualmente de categoria especial), desde junho de 1985, em razão de aprovação em concurso público de provas e títulos; Presidente da União dos Juristas Católicos do Rio de Janeiro desde 2001; autor de artigos, individualmente e em co-autoria, e participação em entrevistas sobre temas diversos e de Bioética, publicados em sites, revistas e em jornais; participação como expositor em audiências públicas envolvendo temas de Bioética perante a Câmara dos Deputados, Senado Federal, Conselho Nacional de Saúde e Supremo Tribunal Federal)

PROGRAMAÇÃO - 2º dia:

MOVIMENTO NACIONAL DA CIDADANIA PELA VIDA - BRASIL SEM ABORTO
(Jaime Ferreira Lopes - . Bacharel em Direito; Assessor parlamentar da Câmara dos Deputados; Vice-presidente do Movimento Nacional da Cidadania Pela Vida “Brasil sem Aborto)
- Breve Histórico.
- A importância da sociedade civil na luta pelos direitos à vida;
- Principais vitórias.
- Principais desafios.

AÇÕES DO PODER EXECUTIVO BRASILEIRO
- Iniciativas do Ministério da Saúde (normas técnicas, PSD como controle populacional);
- Iniciativas do Ministério da Educação;
- Carta compromisso da Presidenta Dilma Rousseff;
- Lei 12.845, de 01/08/2013.

EVOLUÇÃO GESTACIONAL E CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA
ABORTO, MÉTODOS ABORTIVOS E CONSEQUÊNCIAS
(Luciana Lopes Lemos - . Mestre em Saúde Pública – ENSP/FIOCRUZ;  Chefe de equipe da Maternidade Maria Amélia Buarque de Holanda, RJ; Ginecologista Obstetra – HCPM/RJ;  Coordenadora de Assuntos Bioéticos e Científicos do Comitê Brasil Sem Aborto - RJ)

APRESENTAÇÃO DA AULA MODELO
Allan Araújo - (Presidente da Associação Nacional da Cidadania Pela Vida - ADIRA)
Abraços pela vida!

Secretária Executiva
Jane Chantre
Movimento Nacional da Cidadania pela Vida - Brasil sem Aborto do Estado do Rio de Janeiro

Informações: (21) 9 9684-7888

26-28/9: 9º Congresso AJA com Jesus s/ Dependência e Espiritualidade - Goiânia/GO





---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Congresso AJA <congressoaja@gmail.com>
Prezados e prezadas, boa tarde a todos.
Que a paz autêntica de Jesus Cristo, acalente nossos corações sedentos do refrigério do Amor Divino.

Chega em breve mais um congresso Aja com Jesus, a edição 2014.
Você está convidado(a), sua família e amigos.
Em anexo a programação e informações.

Paz a todos
​!​

pp. Eurípedes Cipriano.
(coordenador do 9
​º  Congresso AJA com Jesus 2014)


--------------------

Caros amigos
Luz e Paz!


Gentileza encaminhar aos seus contatos e compartilhar em mídias sociais​.
 
Fraternalmente,

Nazareno Feitosa


FEB e FEDF convocam p/ audiências públicas s/a Legalização da Maconha - Senado Federal

Boletim FEDF Extra
Setembro de 2014

  
Federação Espírita do Distrito Federal



A FEB - Federação Espírita Brasileira e a FEDF - Federação Espírita do Distrito Federal publicaram notas contra a legalização da maconha para fins "recreativos" e convidam todos a comparecer às audiências públicas que estão sendo realizadas no Senado Federal.


A FEDF também agradece a postagem de comentários no portal e-cidadania do Senado (disponível alguns dias antes e durante as audiências):

Sua presença, comentários na net e e-mails para os senadores são muito importantes.

Trata-se da Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. O relator designado foi o Senador Cristovam Buarque.

Datas e temas das próximas audiências, sempre às segundas-feiras, 9h:
08/setembro: Impactos sobre a violência
22/setembro: Impactos no judiciário, no sistema penal e prisional
13/outubro: Atores sociais contrários à regulamentação



Local: Comissão de Direitos Humanos - Plenário 2 - Ala Nilo Coelho - Senado Federal (próximo à entrada pela via N2)

OBS: A cada participante é facultado cerca de 3 minutos para falar, podendo ser estendido. Não é necessário traje social.

Abaixo, seguem manifesto da ABP e vídeos sobre o tema: 

Vídeo da esclarecedora palestra de Kevin Sabet*, em São Paulo, 23/agosto/2014:





Vídeo dos debates com Kevin Sabet e vários participantes. São Paulo, 23/agosto/2014:


* Kevin Sabet, considerado um dos maiores especialistas da atualidade, é consultor da Casa Branca e da ONU em políticas sobre drogas, Ph.D. e Mestre em Política Social pela Univ. de Oxford e graduado em Ciência Política pela Univ. da Califórnia.



Assista a mais vídeos sobre a legalização da maconha em:
http://www.youtube.com/playlist?list=PLK2BlVKy-eZds5bDT-zJcgCizVOKs1F57
Conheça e curta a página do Movimento Brasil Sem Drogas:

Conheça o Manifesto da Ass. Brasileira de Psiquiatria (ABP): www.abp.org.br/manifesto/manifesto.pdf

A FEDF agradece a divulgação.


Fraternalmente, 

Diretoria de Comunicação Social Espírita - FEDF - dcs@fedf.org.br
Federação Espírita do Distrito Federal
Sede Sudoeste: SWQM 5 / Esquina com a 301 do Sudoeste - Brasília/DF
Sede 408 Sul: SQS 408 Asa Sul - Brasília/DF
www.fedf.org.br

Consultor da ONU fala s/ legalização da maconha - Evento da SPDM em São Paulo


O Impacto da legalização das drogas foi tema de palestra de conselheiro da ONU
Kevin Sabet, um dos maiores especialistas mundiais no tema, falou também sobre o futuro da política de drogas


No dia 23/08, o Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, foi sede de um dos maiores eventos do ano relacionado à política sobre drogas. O “Impacto da Legalização das Drogas”, organizado pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), trouxe ao Brasil o norte-americano Kevin Sabet, que fez palestra e debate sobre o futuro da política de legalização de drogas e suas consequências.
Kevin Sabet é considerado um dos maiores especialistas na atualidade em políticas de drogas. É Ph.D. e Mestre em Política Social pela Universidade de Oxford e graduado em Ciência Política pela Universidade da Califórnia. 
Realizou debate com especialistas e convidados abordando temas como o uso de maconha medicinal, a necessidade de uma política de drogas dinâmica, tratamentos contra dependência química e a relação entre justiça e saúde pública. Participaram do debate: o ex-Governador de SP José Serra, Senador Eduardo Suplicy, Dr. Clóvis Benevides, Dra. Ana Cecília Marques, Dra. Eloisa Arruda, Dr. Mauro Aranha, Profa. Ligia Pereyra, Dr. Claudio Lottenberg, Dr.Ortega e os jornalistas Gilberto Dimenstein e Augusto Nunes, entre outros.
Com mais de 18 anos de atuação em política de drogas, o sociólogo Kevin Sabet é diretor do Instituto de Política de Drogas e professor-assistente no Departamento de Psiquiatria da Universidade da Flórida. Além disso, é Conselheiro Sênior do Instituto de Pesquisa de Crimes e Justiça das Nações Unidas, com sede na Itália, e de diversas organizações governamentais e não governamentais.
Por assumir um compromisso não partidário contra as drogas, Kevin é o único integrante do Escritório de Política Nacional de Controle às Drogas a trabalhar em 3 administrações distintas, nos governos Clinton, Bush e Obama, no qual atuou como Conselheiro Sênior da Casa Branca entre 2009 e 2011. Dr. Sabet é também cofundador do Projeto SAM – Smart Approaches to Marijuana. - http://learnaboutsam.org/
FONTE: http://spdm.org.br/eventos (com adaptações)
Confira os vídeos da palestra e do debate:







Compartilhe! Assista a mais vídeos sobre a legalização da maconha em:
http://www.youtube.com/playlist?list=PLK2BlVKy-eZds5bDT-zJcgCizVOKs1F57


Conheça e curta a página do Movimento Brasil Sem Drogas:

Compartilhe com seus amigos!

Legalização da Maconha: Palestra de um dos maiores especialistas do mund...



Legalização da Maconha: Vídeo da magnífica palestra de um dos maiores especialistas do mundo em legalização de drogas, Kevin Sabet, em São Paulo, neste fim de semana passado. Imperdível! Compartilhe! Assista a + vídeos: www.youtube.com/playlist?list=PLK2BlVKy-eZds5bDT-zJcgCizVOKs1F57. Curta www.facebook.com/movimentobrasilsemdrogas?fref=ts. Compartilhe com seus amigos!

Em meio a tantas falácias sobre o assunto e quase que somente convidados pró-legalização no Senado, conheça alguns dos muitos argumentos dos defensores da vida!

---------------------------​

RELEMBRANDO:

​Seg(08/9/14) 9h: 3ª Aud. Púb. s/a Legalização da maconha!

Solicitamos a todos que, se possível, compareçam à audiência, já iniciem a postagem de comentários no portal https://www12.senado.gov.br/ecidadania - Sugestão nº 08/2014.

Sua presença, comentários na net e e-mails para os senadores são muito importantes.

Local: Plenário nº 2, Anexo II, Ala Senador Nilo Coelho, Senado Federal.

Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha.

O relator é o Senador Cristovam Buarque.



Conheça o Manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria (ABP):

http://www.abp.org.br/manifesto/manifesto.pdf

Hoje, Sáb(30/8) 19h, falarei na Semana Esp. do CE Bezerra de Menezes Brazlândia e amanhã, Dom(31/8) 17h,Palestra da Mostra Esp. Formosa/GO

Hoje, Sáb(30/8) 19h, farei palestra na Semana Espírita do CE Bezerra de Menezes em Brazlândia/DF e amanhã, Dom(31/8) 17h - Palestra da Mostra Esp. Formosa/GO
"Chico Xavier e a Alegria de Servir" Inf.: Fernando Samuel - fernandoosamuel@gmail.com


IV MOSTRA DO CONHECIMENTO ESPÍRITA

A Mostra do Conhecimento Espírita é uma exposição sobre temas estudados e difundidos pelo Espiritismo. O evento ocorre em praça pública na cidade de Formosa-GO, onde é montado várias estruturas onde há  apresentação de Grupos de Canto e teatral espíritas, palestras sobre o tema, espaço para crianças com evangelização infantil,feiras do livros espíritas e de artesanato confeccionados nos Centros Espíritas da região.

A IV Mostra do Conhecimento Espírita tem como tema "Caridade: o caminho" e contará com as seguintes participações:
  •   Palestras (duas) de Saulo Cesar e Nazareno Feitoza (FEDF);
  •   Coral do Centro Espírita Fraternidade Emmanuel (CEFE – Planaltina-DF);
  •   Coral do Centro Espírita Maria de Madalena (CEMA – Planaltina-DF);
  •   Coral Canto da Paz (CECAP – Planaltina-DF),
  •   Grupo Cantando Boas Novas (COECX – Formosa-GO,
  •   Peça "A Caridade" do Teatro Espírita Sementeiros do Evangelho
  •   Peça "Semeadora do Evangelho" do Grupo Espírita Operário da Espiritualidade
O evento é organizado pelos centros espíritas de Formosa: Associação Espírita São João Batista, Casa Espírita Santo Agostinho, Comunhão Espírita Chico Xavier, Comunhão Espírita Lar de Maria e conta com o apoio da 4ª CRE/FEDF.

Alguns dos efeitos da maconha e da sua legalização - Psiquiatra Valentim Gentil



Alguns dos terríveis efeitos da maconha - Psiquiatra Valentim Gentil Filho.

Em meio a tantas falácias sobre o assunto e quase que somente convidados pró-legalização no Senado, conheça alguns dos muitos argumentos dos defensores da vida! 

Assista a + vídeos: www.youtube.com/playlist?list=PLK2BlVKy-eZds5bDT-zJcgCizVOKs1F57 

e curta: www.facebook.com/movimentobrasilsemdrogas?fref=ts

Compartilhe com seus amigos!
Link p/o vídeo: 

 ---------------------------​

RELEMBRANDO: 

​Seg(08/9/14) 9h: 3ª Aud. Púb. s/a Legalização da maconha! 

Solicitamos a todos que, se possível, compareçam à audiência, já iniciem a postagem de comentários no portal https://www12.senado.gov.br/ecidadania - Sugestão nº 08/2014.

Sua presença, comentários na net e e-mails para os senadores são muito importantes. 

Local: Plenário nº 2, Anexo II, Ala Senador Nilo Coelho, Senado Federal.

Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. 

O relator é o Senador Cristovam Buarque.


Conheça o Manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria (ABP):

http://www.abp.org.br/manifesto/manifesto.pdf

Legalização da Maconha - 3ª Audiência Pública Senado - Nazareno Feitosa ...



Legalização da Maconha - 3a. Audiência Pública Senado - Cristovam Buarque - Fala do Conferencista e Especialista em Dependência Química e Criminologia, Policial Federal Nazareno Feitosa em 2014.08.25. Se esse vídeo pode ser útil, clique em "gostei/curtir" no Youtube e compartilhe em suas redes sociais. Inscreva-se no canal www.youtube.com/nazarenofeitosa. Participe das próximas audiências públicas quinzenais, assista ao vivo e comente no portal e-cidadania do Senado pela internet www12.senado.gov.br/ecidadania




Dom(31/8) 15h-19h: IV Mostra do Conhecimento Espírita - Formosa/GO

IV MOSTRA DO CONHECIMENTO ESPÍRITA

  Publicada em 31/07/2014 21:03:40
A Mostra do Conhecimento Espírita é uma exposição sobre temas estudados e difundidos pelo Espiritismo. O evento ocorre em praça pública na cidade de Formosa-GO, onde é montado várias estruturas onde há  apresentação de Grupos de Canto e teatral espíritas, palestras sobre o tema, espaço para crianças com evangelização infantil,feiras do livros espíritas e de artesanato confeccionados nos Centros Espíritas da região.

A IV Mostra do Conhecimento Espírita tem como tema "Caridade: o caminho" e contará com as seguintes participações:
  •   Palestras (duas) de Saulo Cesar e Nazareno Feitosa (FEDF);
  •   Coral do Centro Espírita Fraternidade Emmanuel (CEFE – Planaltina-DF);
  •   Coral do Centro Espírita Maria de Madalena (CEMA – Planaltina-DF);
  •   Coral Canto da Paz (CECAP – Planaltina-DF),
  •   Grupo Cantando Boas Novas (COECX – Formosa-GO,
  •   Peça "A Caridade" do Teatro Espírita Sementeiros do Evangelho
  •   Peça "Semeadora do Evangelho" do Grupo Espírita Operário da Espiritualidade

O evento é organizado pelos centros espíritas de Formosa: Associação Espírita São João Batista, Casa Espírita Santo Agostinho, Comunhão Espírita Chico Xavier, Comunhão Espírita Lar de Maria e conta com o apoio da 4ª CRE/FEDF.

Legalização da maconha: Opinião de um dos maiores especialistas do Mundo, Kevin Sabet da ONU

Legalização da maconha: Opinião de um dos maiores especialistas do Mundo, Kevin Sabet da ONU

DESCRIMINALIZAR MACONHA NÃO AFETA TRÁFICO, DIZ ESPECIALISTA DO GOVERNO DOS EUA

Domingo, 24 Agosto 2014 14:48
Descriminalizar maconha não afeta tráfico, diz especialista do governo dos EUA

O ESTADO DE S. PAULO

Liberação da venda legal poderia gerar indústria milionária, com foco no público jovem e impactos na saúde pública, segundo Kevin Sabet

Descriminalizar a maconha não acabaria com o tráfico, aumentaria o número de usuários e criaria uma indústria milionária com foco nos consumidores jovens, como a do tabaco. A opinião é do sociólogo Kevin Sabet, especialista do Escritório de Política Nacional de Controle às Drogas do governo dos Estados Unidos. Sabet, que trabalhou para os governos de Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama, apresentou em São Paulo neste sábado, 23, a palestra “Impacto da Legalização das Drogas”.
O evento, realizado no Palácio dos Bandeirantes, foi organizado pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), presidida pelo psiquiatra Ronaldo Laranjeira. Coordenador do Programa Recomeço, iniciativa do governo paulista para o combate ao crack, Laranjeira é conhecido pela oposição radical à descriminalização das drogas.
Segundo Sabet, a maconha tem efeitos nocivos à saúde que são mal compreendidos pela sociedade porque demoram a se manifestar. "Outro fator que afasta do público o conhecimento que a ciência tem sobre os efeitos deletérios da maconha é uma campanha milionária financiada por lobistas que estão interessados na legalização", disse. De acordo com ele, a legalizar a venda não iria destruir o tráfico. "Os traficantes continuariam vendendo mais barato", afirmou.
O sociólogo afirmou que a liberação da maconha faria explodir o número de usuários. "Uma droga legal como o tabaco é usada por 16% da população no Brasil e 25% nos Estados Unidos. Quando uma droga é normalizada, mais pessoas usam. Será que queremos legalizar uma substância como a maconha que hoje é utilizada só por 2% dos brasileiros e 8% dos norte-americanos", questionou. "Quando uma droga é legalizada, ela se torna cultuada pelos jovens como uma porta de entrada na vida adulta, como acontece com o cigarro e o álcool", declarou Sabet.
De acordo com Sabet, a liberação da venda legal da maconha no estado do Colorado gerou uma indústria milionária que se dedica à promoção do vício. "As empresas do lobby pró-maconha só estão preocupadas com dinheiro. Eles querem legalizar para faturar. Como a indústria do álcool e do tabaco, essas empresas não vão faturar com o usuário casual. Elas querem incentivar o uso pesado", afirmou. Segundo ele, nos Estados Unidos, 80% da bebida alcoólica vendida é consumida por 20% dos usuários de álcool. "O melhor alvo para essa indústria são as crianças. Eles farão embalagens atraentes e utilizarão as mesmas estratégias de marketing desenvolvidas pela indústria do tabaco. No Colorado, temos uma preocupante intersecção da indústria da maconha com a bolsa de valores", disse.
Para Sabet, o uso da maconha aumenta os níveis de dependência de uma população aos programas sociais, faz crescer o desemprego, diminui os níveis de renda e escolaridade. "O uso da maconha também é um fator de risco importante para distúrbios mentais. Isso não acontece, por exemplo, com o tabaco, o álcool e a cocaína" declarou. "Além disso, a maconha transgênica produzida hoje é de 10 a 20 vezes mais forte que a produzida nos anos 70. Isso leva a quadros de psicose e pânico", afirmou. 
Sabet declarou também que há indícios de que a maconha diminui o QI dos usuários. Ele citou um estudo feito com mil usuários que fumavam maconha mais de três vezes por semana da adolescência aos 38 anos. "Os resultados mostraram que eles tiveram uma redução considerável no QI, de 6 a 8 pontos. Essa é a diferença entre conseguir ou não o emprego que se quer", disse ele.

LEGALIZAR MACONHA É CRIAR NOVA INDÚSTRIA DO VÍCIO, DIZ CONSELHEIRO DE OBAMA

Sábado, 23 Agosto 2014 17:24
Ana Ikeda - Do UOL, em São Paulo
Junior Lago/UOL
  • Para Kevin Sabet, 35, usar o termo "maconha medicinal" só confunde as pessoas. "Nós não chamamos a morfina de 'heroína medicinal'"
    Para Kevin Sabet, 35, usar o termo "maconha medicinal" só confunde as pessoas. "Nós não chamamos a morfina de 'heroína medicinal'"
Legalizar o uso da maconha cria mais uma "indústria do vício" e, ainda, não ajuda a acabar com o tráfico, afirma Kevin Sabet, 35, especialista norte-americano que integrou a equipe de controle de drogas do governo de Barack Obama. Para ele, a politização do "tema da moda" mascara o impacto da droga na saúde pública, cujo consumo cresce entre adolescentes.
Em entrevista exclusiva ao UOL, Sabet mostrou dados de uma pesquisa recente que apresentará na palestra "Impacto da legalização das drogas", organizada pela SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina. O evento ocorre neste sábado (23) em São Paulo.
Um dos casos analisados por Sabet é o do Colorado, que permite tanto o uso da "maconha medicinal" (desde 2001) como recreativa (a partir deste ano). No Estado, a venda da droga é proibida para menores de 21 anos. Mesmo assim, sete em cada dez adolescentes em tratamento contra dependência química admitiram ter usado maconha medicinal de outra pessoa –e, em média, isso ocorreu 50 vezes.
Ainda no Colorado, Sabet afirma que o número de jovens entre 12 e 17 anos que usaram maconha cresceu de 8,15% (em 2009) para 10,47% (em 2011), bem acima da média nacional, que é de 7,55%.
No caso de adultos no Estado, dobrou o número de motoristas que, sob o efeito de maconha, se envolveram em acidentes de carro com morte. O índice passou de 5% em 2009 para 10% em 2011.
Nos 19 Estados norte-americanos que permitem o uso de maconha em tratamentos médicos, Sabet diz que três em cada cinco estudantes do último ano do ensino médio conseguem drogas com "amigos". Só 25% compram drogas de traficantes ou estranhos. A margem de erro não foi informada.
Arte/UOL
Mapa da legalização da maconha nos EUA
  •  
    Uso medicinal e recreativo legalizado
    Colorado e Washington
  •  
    Uso medicinal legalizado
    Arizona, Califórnia, Connecticut, Delaware, Distrito de Columbia, Havaí, Illinois, Maine, Maryland, Massachussets, Michigan, Montana, Nevada, New Hampshire, New Jersey, Novo México, Oregon, Rhode Island, Vermont
  •  
    Legalização em análise
    Flórida e Alaska
O sociólogo, que estuda há 18 anos políticas em relação a drogas e atualmente é conselheiro sênior do Instituto de Pesquisa de Crimes e Justiça da ONU (Organização das Nações Unidas), diz que os números são alarmantes. "É a inauguração de uma nova indústria que quer apenas aumentar o vício das pessoas."
Até mesmo o uso da maconha para tratamento médico é desaprovado por Sabet. "Nós não chamamos a morfina de 'heroína medicinal'. Usar o termo 'maconha medicinal' só confunde as pessoas e vem acompanhado da crença de que você tem de fumar para obter os benefícios", critica. 
Atualmente, ele se dedica ao Projeto SAM – Smart Approaches to Marijuana (Abordagens Inteligentes para a Maconha). A organização sem fins lucrativos tem como missão diminuir o uso de maconha no mundo, "sem demonizar, nem legalizar" a droga. 

Confira abaixo a íntegra da entrevista:

UOL – O senhor concorda com a legalização da maconha para fins medicinais e para recreativos?
Kevin Sabet –
 Muitas vezes o debate é pintado em branco e preto, como se você tivesse de ser ou a favor dos altos gastos com criminosos ou a favor da legalização. Eu não concordo com isso.
Acho que existem muitas políticas mais inteligentes que não caem nessa polarização. O que estamos vendo em Estados como Colorado e Washington [onde o uso medicinal e recreacional da maconha é permitido] é a inauguração de uma nova indústria que quer apenas aumentar o vício das pessoas.
 Junior Lago/UOL É muito curioso que tenhamos políticos que já não ocupam mais cargos executivos a favor da legalização. É a última moda, faz com que eles voltem ao noticiário e os torna mais relevantes. Não sei no Brasil, mas nos Estados Unidos, quando você se torna ex-presidente, você já não é mais relevante Kevin Sabet
 
O tipo de legalização que me preocupa é a que está acontecendo nos Estados Unidos e que tende a acontecer no restante do mundo: a industrialização e promoção de outra indústria viciante.
Em termos de efeitos, também temos de pensar, seja em relação à maconha e outras drogas como cigarro e até mesmo álcool, no futuro da nossa força de trabalho. Que tipo de trabalhadores e estudantes queremos? É claro que não queremos promover o uso de cigarros para nossos estudantes, mas se você vai para a escola e é fumante, a sua cognição não é diminuída, você ainda consegue aprender. Você não vai ter câncer de pulmão amanhã. Mas no caso da maconha é diferente. Ela prejudica a pessoa em termos de aprendizado, memorização, atenção, motivação.
Já vivemos um desastre em relação à indústria do tabaco e do álcool, e acho que não queremos elevar a maconha a esse nível.
UOL – Há diversos estudos, citados inclusive sobre a maconha ajudar pacientes com câncer, desde conter o crescimento de tumores, estimular o apetite, diminuir a náusea e aliviar a dor. Diante de tantos benefícios, é possível defender a proibição total da droga?
Sabet –
 Ter medicamentos que usam substâncias derivadas da maconha é algo promissor. Mas nós não fumamos ópio para ter os efeitos da morfina. Nós não chamamos a morfina de "heroína medicinal". Usar o termo "maconha medicinal" só confunde as pessoas e vem acompanhado da crença de que você tem de fumar para obter os benefícios.
Nos Estados Unidos, os chamados "usuários" dessa maconha medicinal são em 98% dos casos homens entre 30 e 40 anos sem câncer terminal. Eles também não são soropositivos para HIV, não têm esclerose múltipla nem esclerose lateral amiotrófica. Basicamente, eles têm dor na região lombar. Lógico que devemos tratar a dor deles, mas há outras saídas.
A impressão das pessoas é que a maconha é boa porque há pacientes morrendo de câncer que precisam dela. Mas, francamente, se você está morrendo de câncer, com seis meses de vida, eu não ligo para o que você vai usar [para dor].
Além disso, as leis estão sendo escritas de forma muito ampla e, em muitos Estados americanos, a legislação é defeituosa. O Colorado começou a vender a droga em 2008. Tudo o que você precisa é ser maior de 18 anos e ter dor de cabeça para conseguir maconha.

Você é a favor da legalização da maconha?

  • Sim, tanto para uso medicinal como recreativo
  • Sim, mas apenas para uso medicinal
  • Não, em nenhuma ocasião
UOL – O que devemos fazer então para ajudar pacientes que precisam da "maconha medicinal"?
Sabet – 
Temos de realizar programas especiais de pesquisa que deem acesso aos pacientes a medicamentos experimentais. Não devemos vender maconha na esquina, em uma loja, e dizer que é remédio, porque esse não é a forma de atuar da medicina. Eu não gosto dessa politização da medicina, a medicina deveria estar no campo científico. Se cientistas no Brasil disserem amanhã que precisamos fumar maconha para obter os efeitos [benéficos], temos de entender o porquê disso e aprender. Mas não acho que é o caso atual.
Vamos estudar os componentes da planta. Eu sei que pode ser muito bom para um político dizer que é a favor da maconha medicinal. Mas, sinceramente, não devemos confiar em políticos falando sobre questões científicas [risos]. Vamos ouvir os cientistas. E eles não estão dizendo para você fumar um baseado para se livrar do seu câncer.  
UOL – No começo do ano, Obama disse que fumar maconha não é mais perigoso do que beber álcool, mas frisou que, de qualquer modo, é "uma ideia ruim". O senhor concorda com ele?
Sabet –
 Primeiro, não acho saudável que haja essa equivalência de dizer que uma coisa é melhor que outra, porque são diferentes. O álcool afeta o seu fígado, a maconha afeta os seus pulmões. O álcool afeta certas partes do seu cérebro, a maconha, outras.
No caso do álcool, nós temos uma aceitação cultural. O álcool não é legalizado porque é um sucesso para a saúde pública. Ele é legalizado porque vem sendo usado há milhares de anos na cultura ocidental, essa é a única razão.
No caso da maconha, ela não é usada há milhares de anos pela maioria da população ocidental e não queremos repetir a experiência [como a do álcool] de novo.
Eu conheço muito mais pessoas que bebem uma taça de vinho sem intenção de ficarem bêbadas. Não conheço quem fume um baseado sem o intuito de "ter um barato". A razão para fumar um baseado é se drogar. Eu não bebo, então não teria como explicar propriamente, mas não estou justificando fazer uma coisa e não outra. Há uma diferença cultural em relação ao álcool que torna a comparação com a maconha falsa.
UOL – Nosso ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, é um dos defensores da legalização da maconha. O que o senhor acha de políticos como ele?
Sabet –
 É muito curioso que tenhamos políticos que já não ocupam mais cargos executivos a favor da legalização. É a última moda, faz com que eles voltem ao noticiário e os torna mais relevantes. Não sei no Brasil, mas nos Estados Unidos, quando você se torna ex-presidente, você já não é mais relevante [risos]. Ninguém mais fala de George W. Bush, nem mesmo do Bill Clinton.
É uma abordagem muito simplista. Visitem as favelas. Você acha que mais drogas vão ajudar essas comunidades? Isso oferece alguma esperança a eles? Não é uma visão esperançosa
UOL – Se você fosse candidato à presidente do Brasil e em um debate fosse perguntado se é a favor ou contra a legalização da droga, o que falaria?
Sabet –
 Eu defenderia uma abordagem ligada à saúde em relação às drogas em geral. Isso significa aumentar o acesso a tratamento, com intervenção precoce, com treinamento dos médicos para identificar os sinais do vício. Tratar todos os problemas bem cedo, sem esperar que alguém dê entrada no hospital porque está usando crack ou cocaína há quatro anos. Quero que descubram o vício já no primeiro mês de uso para evitar o agravamento da doença.
E eu certamente não iria querer começar uma nova indústria como a do tabaco ou do álcool, vendendo a droga. E eu também olharia para as questões fundamentais. Por que as pessoas estão usando crack? O que acontece na comunidade onde vivem? São questões muito mais difíceis, mas são muito mais importantes do que dizer se devemos legalizar uma droga ou não.
UOL – Os dados colhidos pelo senhor sobre o Colorado mostram que a legalização da droga teve consequências ruins, principalmente para adolescentes.
Sabet –
 Isso acontece porque a legalização não elimina o mercado negro, o tráfico. E essa é a promessa, de que vamos nos livrar das gangues. As gangues estão muito felizes agora porque eles têm preços mais baixos. No Colorado, custa US$ 300 (R$ 684) para se comprar 35 gramas de maconha legalizada. Com traficantes, o preço é US$ 150 (R$ 342) para a mesma quantia da droga. Você não vai à loja de maconha recreacional para pagar o dobro do preço? Além disso, a venda é proibida para menores de idade. Se quiserem maconha, onde vão comprar? Com traficantes. Todas essas promessas de que o tráfico iria acabar e o recolhimento de impostos aumentar não estão se concretizando. O governador do Colorado, pela quinta vez consecutiva, diminuiu a estimativa de recolhimento de impostos com esse comércio.
 Junior Lago/UOL Não vou dizer que um pai de uma criança que sofre centenas de convulsões por dia não deve usar algo que vai ajudá-la. Traficar ou plantar a maconha no quintal não resolve o problema, tampouco. É preciso regulamentar o uso do canabidiol Kevin Sabet
 
UOL – Então, como acabar com o tráfico da droga?
Sabet – 
A única maneira que haveria para acabar com o tráfico é vender a droga a custo de produção. Em outras palavras, seria como tentar se livrar do tráfico de crack ou cocaína vendendo a droga por centavos para cada dose. Do ponto de vista da saúde pública, você não quer isso. Você quer justamente aumentar os impostos do cigarro, você tenta aumentar os custos porque quanto mais caro, menos pessoas vão querer aquilo. Você talvez consiga se livrar de alguns dos malefícios e reduzir um pouco o tráfico, mas não eliminá-lo. A saída, mais uma vez, é diminuir o número de viciados com tratamento e campanhas de conscientização.
UOL – No caso dos adultos, o senhor mostra que dobrou o número de acidentes com mortes envolvendo motoristas sob efeito da maconha no Colorado.
Sabet –
 Defensores da legalização poderiam até argumentar que os motoristas "não estavam sob efeito da droga", mas como eram acidentes fatais, testes nas vítimas mostraram altos níveis das substâncias derivadas da maconha nos organismos. Claro que nem todo acidente causado por um motorista bêbado ocorre devido à ingestão do álcool. É o mais provável, podia ter ocorrido porque ele enviava um SMS no momento. Mas é um grande fator de risco.
Muitos adolescentes pensam que dirigir sob influência da maconha é seguro. Mas costumo dizer que é perigoso dirigir, em uma via cujo limite é 70 km/h, tanto a 30 km/h como a 100 km/h. Mesmo que a maconha torne você mais lento, isso também é perigoso. Ela também afeta o seu senso de profundidade e seu tempo de reação.
UOL – Não deveria haver leis mais severas no Colorado contra esses motoristas?
Sabet –
 O problema da legalização é que você cria espaço para um grupo político completamente novo, que fará de tudo para tornar o acesso à droga o mais fácil possível. Então, durante as campanhas de legalização eles dizem: "não se preocupe, nós vamos fiscalizar e regulamentar". No minuto seguinte, eles se esquivam. No poder, eles detêm o dinheiro, vão influenciar o conselho das cidades pequenas, dar dinheiro aos políticos para criar 20 lojas vendendo maconha em uma comunidade local. Ou seja, você tem esses defensores que vão tentar minimizar todos os malefícios de dirigir sob influência da droga. A mensagem deles para as crianças, por exemplo, é que fumar maconha é mais seguro que beber álcool.   
UOL – Se legalizar não é uma opção, quais seriam então as propostas para reduzir o consumo da droga?
Sabet –
 A questão é: o que você acha pior? Um mercado legal que atingirá 25 a 50% da população, porque vai aumentar o uso da droga, ou um mercado ilegal que chega a 7%? As duas coisas são ruins, mas eu optaria pelo segundo cenário e trabalharia para reduzir essa taxa.
Precisamos de campanhas de prevenção e conscientização melhores, principalmente para adolescentes. Nos últimos dez anos, as pesquisas científicas avançaram tremendamente no que diz respeito aos efeitos da droga no cérebro dos adolescentes mas, ao mesmo tempo, a percepção desses jovens dos malefícios da maconha está diminuindo. Isso se deve muito às discussões sobre legalização.
Muitas pessoas acham que a maconha não vicia, mas vicia sim. E também está associada a doenças mentais graves. Precisamos de mais campanhas, mais pesquisas, mais tratamento. No caso do tráfico, precisamos dar mais alternativas aos jovens, para que a venda da droga não se mostre mais lucrativa que um trabalho legítimo. É necessário resolver os problemas sociais.
UOL – O Uruguai recentemente legalizou a venda da droga do país, que deveria começar em novembro, mas foi postergada para 2015. Isso justamente porque o governo ainda estuda métodos eficientes para identificar quem compra. Na ocasião, José Mujica criticou o modo como a droga vem sendo legalizada nos EUA, "de qualquer jeito" e "com irresponsabilidade que assusta". O senhor concorda com Mujica?
Sabet –
 Ele é muito inteligente ao dizer que não quer copiar a situação do Colorado e de Washington, porque isso seria um desastre total. Não ficaria surpreso se a venda da maconha no Uruguai nem mesmo comece ou, ainda, nunca aconteça. Não é uma medida popular, o governo gastou alguns milhões em campanhas tentando convencer as pessoas de que isso é algo bom, e mesmo assim 70% são contra.
O argumento racional é "vamos acabar com o tráfico", mas, de novo, a menos que você dê a droga, dê maconha para crianças de 10 anos, ainda vão existir traficantes. E não é isso que você quer. O próprio presidente [Mujica] disse que não gosta da maconha, não é a favor dela, só quer controlá-la. Essa é uma abordagem muito melhor que a dos Estados americanos. Ele é muito mais honesto que alguns caras nos EUA. Mas ainda assim não acho que os uruguaios tenham um programa viável. Eles estão percebendo que é muito mais complicado do que acharam que seria. Então, boa sorte para eles. Sou muito cético.
UOL – Para os Estados Unidos, é preocupante que um país latino-americano legalize a maconha?
Sabet –
 Não sei se seria um problema, mas é estranho para os Estados Unidos. O país não quer a legalização, mas está acontecendo no âmbito estadual. O governo norte-americano simplesmente vai ignorar a questão. Para ser sincero, só vemos eles [Uruguai e Mujica] mencionados no jornal quando o tema é maconha. Eles [Obama e Mujica] nem conversaram sobre isso quando se encontraram. Então, não é uma preocupação para os Estados Unidos.
UOL – Recentemente, tivemos aqui no Brasil o caso de uma menina de cinco anos com epilepsia grave que causava mais de 60 convulsões diárias. Após o canabidiol, ela teve sensível melhora no estado de saúde. Porém, os pais estavam "contrabandeando" a substância, e não estavam satisfeitos com isso. Como é essa questão nos EUA?
Sabet –
 Também temos esse problema nos Estados Unidos. Mais de 400 crianças estão recebendo canabidiol na forma líquida legalmente pelo governo. No entanto, você não tem dados que mostrem a eficácia da substância. Se um pai está de acordo de que a substância é experimental, sem comprovação, então por mim tudo bem. Não vou dizer a um pai de uma criança que sofre centenas de convulsões por dia para não usar algo que vai ajudar.
Mas traficar ou plantar a maconha no quintal não resolve o problema. É preciso regulamentar o uso do canabidiol pelas áreas farmacêuticas e de saúde.

FONTES: