Biografia de Nazareno Feitosa (resumo)


BIOGRAFIA DE NAZARENO FEITOSA (RESUMO)

Nazareno Feitosa, natural de Fortaleza, reside atualmente em Brasília, onde é funcionário público. Tem formação em Direito e Administração, e iniciou o curso de psicologia.

Compõe a equipe de Divulgação da FEDF - Federação Espírita do Distrito Federal. É expositor espírita, monitor de ESDE - Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita na Comunhão Espírita de Brasília e tem ministrado aulas de Estudo Sistematizado do Evangelho Segundo o Espiritismo e de EADE - Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita.

Participa também do Estudo, Educação e Desenvolvimento da Mediunidade e também ministra aulas sobre O Livro dos Médiuns.

É dedicado estudante do Evangelho de Jesus, das obras de Allan Kardec, André Luiz e Emmanuel.

Estudou ainda sobre terapia de regressão a vivências passadas e várias ferramentas de autoconhecimento, mas foi no Evangelho de Jesus que encontrou o roteiro mais excelente para as nossas vidas.

Nazareno tem dezenas de palestras gravadas que estão disponíveis em DVDs, CDs de áudio e CDs de MP3, cuja renda é revertida integralmente para as casas espíritas onde ministra palestras. Os vídeos de suas conferências também são veiculados na TV do Conselho Espírita Internacional - TVCEI.com.

FACEBOOK I  : http://www.facebook.com/nazareno.feitosa (lotado)
FACEBOOK II : http://www.facebook.com/NazarenoFeitosaII (aceita amigos)
TWITTER : @nazarenofeitosa

Legalização da Maconha: Avaliação das 32 Políticas mais eficazes - Dr. Ronaldo Lanjeira



Legalização da Maconha: 
Dependências Químicas da Clínica à Saúde Pública - Psiq. Ronaldo Laranjeira - Avaliação das 32 Políticas Públicas conhecidas mais eficazes.

Link p/o vídeo: http://youtu.be/--P5E2SFgMg

Artigo: Maconha e Demência Precoce - Várias pesquisas e fontes comprovam os danos - Psiq. Dr. Valentim Gentil Filho

Artigo: Maconha e Demência Precoce - Várias pesquisas e fontes comprovam os danos - Psiq. Dr. Valentim Gentil Filho - VEJA E IMPRIMA O ARTIGO EM PDF: http://www.uniad.org.br/images/stories/pdf/MACONHA_E_DEM%C3%8ANCIA_PRECOCE_2014_SciAmBrasil.pdf






VEJA E IMPRIMA O ARTIGO EM PDF: http://www.uniad.org.br/images/stories/pdf/MACONHA_E_DEM%C3%8ANCIA_PRECOCE_2014_SciAmBrasil.pdf

Legalização da maconha: Pesquisas e Manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria

Em meio a tantos argumentos falaciosos s/a legalização da maconha, conheça as pesquisas mais recentes e também o manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria


LINK p/o vídeo: http://youtu.be/lmq4qznWLEM


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA
SE MANIFESTA CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA


POR QUE A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP) É CONTRÁRIA À LEGALIZAÇÃO DA MACONHA:

1. Falta de estrutura para o tratamento de dependentes. O Brasil não possui uma rede comunitária ambulatorial e hospitalar para as pessoas que desenvolvem transtornos mentais ou de comportamento em decorrência do uso da droga. Com o potencial aumento do consumo, ocorrerá também um aumento do número de dependentes. É inadequado discutir modelos que funcionam em outras nações sem compreender a realidade de saúde brasileira.

2. Maconha é ainda mais danoso à saúde que o cigarro. Quem fuma maconha consome quatro vezes mais alcatrão do que se fumasse um cigarro de tabaco e cinco vezes mais monóxido de carbono, duas substâncias associadas diretamente ao câncer de pulmão.

3. Alto risco e impacto no desenvolvimento dos jovens. Dos 12 aos 23 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. Quanto mais precoce o uso da droga, maiores são as chances de dependência. A ação da maconha nessa fase de formulação cerebral pode ser irreversível. Com a legalização deveria aumentar o número de usuários, especialmente entre os adolescentes. Quando usada na adolescência, o risco de dependência é o mesmo da cocaína, ou seja, 15%.

4. Maconha causa prejuízo a diversos órgãos e sistemas humanos. Estudo de 2012, conduzido pelo psiquiatra Ronaldo Laranjeira, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, apontou que a maconha multiplica por 3,5 vezes a incidência de desenvolvimento de esquizofrenia e também multiplica por 5 vezes as chances de desencadear no usuário o Transtorno de ansiedade.

5. Uso terapêutico da droga ainda está em fase de estudos. Há normas legais no Brasil referentes ao uso experimental de qualquer nova terapêutica, inclusive o eventual uso de derivados da cannabis. Sendo assim, bastaria cumprir essas normas para que seja possível cumprir tal finalidade sem a necessidade da legalização total da droga. Usar o falso pretexto de que a maconha faz bem é ingênuo e perverso. O que pode eventualmente vir a ser útil são substâncias extraídas da maconha, sem características alucinógenas, como ocorre com o Canabidiol, vendido em formulações a óleo e spray. A maconha fumada não possui nenhuma evidência científica com relação a sua eficácia terapêutica.

6. Não impacta na diminuição da violência. A legalização da maconha não é o caminho para diminuir a violência. As leis e as proibições não eliminam totalmente os crimes, mas diminuem sua incidência e o número de vítimas. Os países que endureceram as leis contra as drogas foram os que mais reduziram o número de dependentes e a violência. É assim na China, em Cuba, nos EUA e na Suécia, para citar alguns exemplos. E a legalização da maconha não influenciaria o tráfico, pois somente 20% do dinheiro do tráfico advém da maconha.

7. Ineficiência no controle de outras drogas, como álcool e o cigarro. O Brasil tem dificuldade na fiscalização da compra de cigarros e bebidas alcoólicas por adolescentes. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer, 52,6% dos adolescentes já compraram cigarros, sem que na maioria dos casos lhes tenha sido solicitada a carteira de identidade. Quadro similar ocorre com a venda de bebidas alcoólicas. Com a legalização da maconha em nosso país, o mesmo ocorreria. Além do mais a legalização da maconha aumentará o número de acidentes e mortes no trânsito, segundo o estudo dos professores Mark Asbridge, Jill A Hayden e Jennifer L Cartwright: http://www.bmj.com/content/344/bmj.e536

8. Legalização não encontra respaldo em mais influente agência reguladora do mundo. A agência americana FDA (Food and Drug Administration) referência mundial no que diz respeito à saúde pública, se posiciona contrária à legalização ou ao uso da maconha fumada para fins terapêuticos. A legalização da maconha para uso medicinal é indefensável cientificamente e só parecer servir para justificar a legalização para o uso recreativo.

9. Desconhecimento do impacto que a maconha pode causar na estrutura psíquica do usuário. A droga, quando fumada, piora todos os quadros psiquiátricos, que já atingem até 25% da população, como depressão, ansiedade e bipolaridade. A maconha pode desencadear primeiras crises graves, mudando a história natural de doentes que poderiam viver incólumes a riscos transmitidos geneticamente.

10. Maioria dos brasileiros é contra a legalização. Recente levantamento nacional (LENAD 2012) mostrou que 75% dos entrevistados se disseram contrários à legalização da maconha. Pesquisa ainda mais recente (maio/2014), do Instituto Gerp, atesta que 69% dos moradores do Estado do Rio de Janeiro também são contra.

Por estes, entre outros motivos, a ABP se posiciona contra o Projeto de Lei que legaliza a maconha.

ENTIDADES QUE ASSINAM ESSE MANIFESTO:
Esse manifesto é assinado pela ABP, pela Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas - ABEAD e todos os médicos psiquiatras componentes da Comissão de Dependência Química da ABP, são eles: Ronaldo Ramos Laranjeira, PhD em Psiquiatria na Universidade de Londres no setor de Dependência Química e é professor titular do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP; Analice de Paula Gigliotti, Chefe do Setor de Dependências Químicas e Comportamentais do Serviço de Psiquiatria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro; Carlos Salgado, Especialista em Dependência Química pela UNIFESP; Marcelo Ribeiro de Araújo, professor e investigador principal da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD; Valdir Ribeiro Campos, Especialista em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e Membro da Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais- CONTAD/AMMG; Pedro Eugênio Mazzuchi Ferreira, Coordenador do Ambulatório de Dependência Química do Hospital São Lucas PUCRS; Frederico Garcia, Professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG e Coordenador do Centro Regional de Referência em Crack e em outra Drogas; Ana Cecília Marques, Presidente do Comitê Multidisciplinar de Estudos sobre Dependência de Álcool e Outras Drogas da Associação Paulista de Medicina -APM e Presidente da ABEAD e Carla Bicca, Especialista em Dependência Química – FIPAD/UNIFESP.


23-30/ago: Sem. Esp. do C. E. A. Bezerra de Menezes - Brazlândia/DF

23-30/ago: Sem. Esp. do C. E. A. Bezerra de Menezes - Brazlândia/DF


Dom(30/8): Marcha contra as drogas c/ Pe. Fábio de Melo e Irmão Lázaro! Divulguemos! Participemos!





Dom(30/8): Marcha contra as drogas c/ Pe. Fábio de Melo e Irmão Lázaro!

Divulguemos! Participemos! 

Façamos movimentos em todo o Brasil! 

Senador Cristovam Buarque, o Brasil não quer legalizar a maconha!

Legalização da Maconha. Audiência Publica. ALCE Ceará 28/Maio/2014 Parte 1





Legalização da Maconha. Audiência Pública na Assembleia Legislativa do Ceará em 28 de Maio de 2014 com apoio do MOVIDA - Parte 1.

Em meio a tantas falácias sobre o assunto e quase que somente convidados pró-legalização no Senado, conheça alguns dos muitos argumentos dos defensores da vida!

Compartilhe!

 http://youtu.be/o7O80IfyrK8

Seg(25/8) 9h: 3ª Aud. Púb. s/a Legalização da maconha. Comente, ligue, participe!

Seg(25/8) 9h: 3ª Aud. Púb. s/a Legalização da maconha! 
Solicitamos a todos que, se possível, compareçam à audiência, já iniciem a postagem de comentários no portal https://www12.senado.gov.br/ecidadania/visualizacaoaudiencia?id=2561 e/ou liguem para 0800-61-2211 referente à Sugestão nº 08/2014 (horário de 8h às 19h).

Sua presença é muito importante. 


Local Plenário nº 2, Anexo II, Ala Senador Nilo Coelho, Senado Federal.

Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. O relator é o Senador Cristovam Buarque.

Conheça o Manifesto da Ass. Bras. de Psiquiatria:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA
SE MANIFESTA CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA


POR QUE A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP) É CONTRÁRIA À LEGALIZAÇÃO DA MACONHA:

1. Falta de estrutura para o tratamento de dependentes. O Brasil não possui uma rede comunitária ambulatorial e hospitalar para as pessoas que desenvolvem transtornos mentais ou de comportamento em decorrência do uso da droga. Com o potencial aumento do consumo, ocorrerá também um aumento do número de dependentes. É inadequado discutir modelos que funcionam em outras nações sem compreender a realidade de saúde brasileira.

2. Maconha é ainda mais danoso à saúde que o cigarro. Quem fuma maconha consome quatro vezes mais alcatrão do que se fumasse um cigarro de tabaco e cinco vezes mais monóxido de carbono, duas substâncias associadas diretamente ao câncer de pulmão.

3. Alto risco e impacto no desenvolvimento dos jovens. Dos 12 aos 23 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. Quanto mais precoce o uso da droga, maiores são as chances de dependência. A ação da maconha nessa fase de formulação cerebral pode ser irreversível. Com a legalização deveria aumentar o número de usuários, especialmente entre os adolescentes. Quando usada na adolescência, o risco de dependência é o mesmo da cocaína, ou seja, 15%.

4. Maconha causa prejuízo a diversos órgãos e sistemas humanos. Estudo de 2012, conduzido pelo psiquiatra Ronaldo Laranjeira, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, apontou que a maconha multiplica por 3,5 vezes a incidência de desenvolvimento de esquizofrenia e também multiplica por 5 vezes as chances de desencadear no usuário o Transtorno de ansiedade.

5. Uso terapêutico da droga ainda está em fase de estudos. Há normas legais no Brasil referentes ao uso experimental de qualquer nova terapêutica, inclusive o eventual uso de derivados da cannabis. Sendo assim, bastaria cumprir essas normas para que seja possível cumprir tal finalidade sem a necessidade da legalização total da droga. Usar o falso pretexto de que a maconha faz bem é ingênuo e perverso. O que pode eventualmente vir a ser útil são substâncias extraídas da maconha, sem características alucinógenas, como ocorre com o Canabidiol, vendido em formulações a óleo e spray. A maconha fumada não possui nenhuma evidência científica com relação a sua eficácia terapêutica.

6. Não impacta na diminuição da violência. A legalização da maconha não é o caminho para diminuir a violência. As leis e as proibições não eliminam totalmente os crimes, mas diminuem sua incidência e o número de vítimas. Os países que endureceram as leis contra as drogas foram os que mais reduziram o número de dependentes e a violência. É assim na China, em Cuba, nos EUA e na Suécia, para citar alguns exemplos. E a legalização da maconha não influenciaria o tráfico, pois somente 20% do dinheiro do tráfico advém da maconha.

7. Ineficiência no controle de outras drogas, como álcool e o cigarro. O Brasil tem dificuldade na fiscalização da compra de cigarros e bebidas alcoólicas por adolescentes. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer, 52,6% dos adolescentes já compraram cigarros, sem que na maioria dos casos lhes tenha sido solicitada a carteira de identidade. Quadro similar ocorre com a venda de bebidas alcoólicas. Com a legalização da maconha em nosso país, o mesmo ocorreria. Além do mais a legalização da maconha aumentará o número de acidentes e mortes no trânsito, segundo o estudo dos professores Mark Asbridge, Jill A Hayden e Jennifer L Cartwright: http://www.bmj.com/content/344/bmj.e536

8. Legalização não encontra respaldo em mais influente agência reguladora do mundo. A agência americana FDA (Food and Drug Administration) referência mundial no que diz respeito à saúde pública, se posiciona contrária à legalização ou ao uso da maconha fumada para fins terapêuticos. A legalização da maconha para uso medicinal é indefensável cientificamente e só parecer servir para justificar a legalização para o uso recreativo.

9. Desconhecimento do impacto que a maconha pode causar na estrutura psíquica do usuário. A droga, quando fumada, piora todos os quadros psiquiátricos, que já atingem até 25% da população, como depressão, ansiedade e bipolaridade. A maconha pode desencadear primeiras crises graves, mudando a história natural de doentes que poderiam viver incólumes a riscos transmitidos geneticamente.

10. Maioria dos brasileiros é contra a legalização. Recente levantamento nacional (LENAD 2012) mostrou que 75% dos entrevistados se disseram contrários à legalização da maconha. Pesquisa ainda mais recente (maio/2014), do Instituto Gerp, atesta que 69% dos moradores do Estado do Rio de Janeiro também são contra.


Por estes, entre outros motivos, a ABP se posiciona contra o Projeto de Lei que legaliza a maconha.


ENTIDADES QUE ASSINAM ESSE MANIFESTO:

Esse manifesto é assinado pela ABP, pela Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas - ABEAD e todos os médicos psiquiatras componentes da Comissão de Dependência Química da ABP, são eles: Ronaldo Ramos Laranjeira, PhD em Psiquiatria na Universidade de Londres no setor de Dependência Química e é professor titular do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP; Analice de Paula Gigliotti, Chefe do Setor de Dependências Químicas e Comportamentais do Serviço de Psiquiatria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro; Carlos Salgado, Especialista em Dependência Química pela UNIFESP; Marcelo Ribeiro de Araújo, professor e investigador principal da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD; Valdir Ribeiro Campos, Especialista em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e Membro da Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais- CONTAD/AMMG; Pedro Eugênio Mazzuchi Ferreira, Coordenador do Ambulatório de Dependência Química do Hospital São Lucas PUCRS; Frederico Garcia, Professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG e Coordenador do Centro Regional de Referência em Crack e em outra Drogas; Ana Cecília Marques, Presidente do Comitê Multidisciplinar de Estudos sobre Dependência de Álcool e Outras Drogas da Associação Paulista de Medicina -APM e Presidente da ABEAD e Carla Bicca, Especialista em Dependência Química – FIPAD/UNIFESP.




AUDIÊNCIAS PÚBLICAS PROGRAMADAS E CONVIDADOS:

3- Debate sob a ótica da ciência e da saúde pública (Regulamentação da Maconha no Brasil)
Data: 25/8/2014
1 - Dr. Dráuzio Varela, médico e pesquisador, do Dr. Roberto Lent, neurocientista e professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro;
2 - Dr. Renato Malcher Lopes, neurocientista e  professor adjunto da Universidade de Brasília;                                                     
3 - Dr. Pedro Paulo Gastalho de Bicalho, coordenador do Conselho Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia;
4 - Sra. Nara Santos, Assessora do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, e                                                                 
5 - Dra. Ana Maria Costa, presidente do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde.

4 - Impactos sobre a violência
08/09/2014
1 - Sr. Rubem Cesar Fernandes, diretor executivo do movimento Viva Rio;                                                                     
2 - Sr. Gláucio Ary Dillon Soares, sociólogo e escritor, e                                                                          
 3 - Sr. Sergio Adorno, professor titular da Universidade de São Paulo e coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo

5- Impactos no judiciário, no sistema penal e prisional
22/09/2014
1 - Sr. Ayres Brito, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal;                                                                                               
2 - Joaquim Falcão, Diretor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas,                                                                   
3 - Dra. Raquel Dodge, Subprocuradora-geral da República, e                                                                     
 4 - Dra. Maria Gorete Marques de Jesus, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo

6- Atores sociais contrários à regulamentação
13/10/2014
1 - Deputado Osmar Terra;                                          
2 - Dom Raymundo Damasceno Assis, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil;                                                                            
3 - Dr. Marcos Zaleski, psiquiatra, e                                                                                
4 - Dra. Ana Cecilia Petta Roselli Marques, presidente da Associação Brasileira do Estudo do Álcool e outras Drogas (Abead)

Palestra Há 2000 Anos Emmanuel / Chico Xavier - Nazareno Feitosa - 2014



Palestra "Livro Há 2000 Anos de Emmanuel por Chico Xavier" com Nazareno Feitosa (Comunhão/FeDF) - 25 Anos da S. E. Casa do Caminho em Primavera/SP, 2014. Se você acha que esse vídeo pode ser útil para alguém, clique em "gostei/curtir" no Youtube e compartilhe em suas redes sociais. Quanto mais votos positivos, mais facilmente ele poderá ser encontrado nas pesquisas. Confira outros vídeos, inclusive em outras idiomas em: www.nazarenofeitosa.com.br e www.febtv.com.br. Inscreva-se em nosso canal do Youtube e receba avisos a cada novo vídeo enviado: www.youtube.com/nazarenofeitosa. A exibição desse vídeo é gratuita, mas se você gostou da palestra, faça uma doação para a casa espírita que frequenta, para a federativa do seu estado, ou para instituições que divulgam a Doutrina, como a FEB, o Conselho Espírita Internacional, etc.










LINK para assistir no youtube: http://youtu.be/pM6qnuvlaEc

20-24/AGO: 12ª Mostra Brasileira de Teatro Transcendental - Teatro Via Sul - Fortaleza/CE!

Prezado (a) Amigo (a)
Bom dia
​​
A 12ª Mostra Brasileira de Teatro Transcendental está prestes a ser iniciada, pois está prevista para o período de 20 a 24 de agosto, no Teatro do Shopping Via Sul, em Fortaleza-CE.  Um pouco antes desse evento,   será realizado um concurso de fotografia que deverá focar-se em um tema que traduza a frase de Gandhi, abaixo transcrita, a qual está ligada à paz. Todas as informações de que você precisa para participar da Mostra e do concurso estão indicadas abaixo.  Participe e leve seus familiares e amigos, pois as peças que serão encenadas são todas de muito bom gosto.  O valor do ingresso é praticamente simbólico (2kg de alimento + 1 pacote de fralda descartável), que deverão ser entregues por ocasião da troca do mesmo.     
Cordialmente,
Orlando Mota Maia
12ª Mostra de Teatro Transcendental Data: 20 a 24 de agosto de 2014 Local: Teatro do Via Sul. 
A Mostra Brasileira de Teatro Transcendental volta a ocupar os palcos cearenses. Em sua 12ª edição, o evento artístico/cultural - com fins solidários - Espetáculos:  

Foto: 12ª Mostra de Teatro Transcendental   Data: 20 a 24 de agosto de 2014 Local: Teatro do Via Sul A Mostra Brasileira de Teatro Transcendental volta a ocupar os palcos cearenses. Em sua 12ª edição, o evento artístico/cultural - com fins solidários -  
 Espetáculos: • Gandhi, A Ética Inspiradora/SP • 20/08 - 19h30 A força desse personagem revela o crescente movimento pela introdução de princípios ético-filosóficos nas relações humanas. Gandhi materializa uma consciência. Sua liderança nunca se baseou em autoridade ou coação. Acreditava que somente poderia pedir para as pessoas aquilo que ele mesmo pudesse fazer. Sabia que sua liderança viria do exemplo e do serviço. E os resultados simplesmente aconteceram. A força e a intensidade da sua biografia fizeram com que o projeto seguisse outros rumos, extrapolando as fronteiras do corporativo.  • Encontros [Im]possíveis/RJ • 21/08 - 19h30 / 21h30 Encontros Impossíveis é um espetáculo teatral de arte e tecnologia, que apresenta Adão – interpretado por Renato Prieto – um jornalista em fim de carreira, que ao receber visitas de grandes nomes da humanidade em seu apartamento – pessoas que sempre desejou entrevistar, mas que
 já morreram – começa a questionar sua sanidade, suas escolhas e sua própria vida. Com situações acontecendo dentro do apartamento do protagonista, Encontros Impossíveis é uma peça contemporânea em forma e conteúdo, com cenografia e uma tecnologia arrojada. Por meio de projeções serão trazidos ao palco personalidades que nos últimos dois séculos nos divertiram, nos fizeram chorar, refletir e nos ajudaram a enxergar a nossa relação com a vida e com o mundo.  • A Hora do Adeus/SP • 22/08 - 19h30 / 21h30 Drama espírita baseado na obra de Ricardo Forni, coloca a discussão sobre os rumos da estrutura familiar baseada na ética, educação, álcool, drogas, aborto, adoção, solidariedade materna, falta de limites, morte por acidente de moto, irresponsabilidade, perdas de entes queridos, diferença de crenças e a convivência pacífica.  • Donana/SP • 23/08 - 19h30 / 21h30 DONANA, numa linguagem fluente, cômica, e muito simples,
 aborda um problema social falando da vida de uma anciã octogenária, mostrando a marginalização que sofrem todos os nossos idosos na sociedade que eles próprios ajudaram a construir, enfocando uma questão a qual podemos lutar. Assim, o objetivo é de que, em nossa velhice, não venhamos alimentar frustrações, presos que fomos a tabus, e preconceitos cultivados por nossa sociedade.  • Elementos/CE • 23 e 24/08 - 15h Elementos é um espetáculo de variedades circenses, que segue a linha do circo moderno, resaltando a relação entre o circo, o artista e os elementos cênicos.Essa fusão em harmonia apresenta uma beleza única, expressada através denúmeros virtuosos e cômicos, quetrazem a ludicidade e a alegria ao picadeiro.Cada número foi preparado pensando em transmitir uma mensagem de coragem,esperança, desafios, amor e alegria a todos os expectadores.  • As Irmãs Buonanotte/RJ • 24/08 - 18h30 / 20h30 Três irmãs solteironas e
 completamente atrapalhadas levavam uma vida fora de suspeitas numa simpática vila rural, quando os moradores descobrem que elas são, na verdade, bruxas. E que usam a energia vital das moças da região para manterem-se vivas e belas pra sempre. Quando estão prestes a levá-las à fogueira, os moradores são ludibriados pelas artimanhas das Irmãs Buonanotte, que acabam fugindo e sumindo na floresta. Cansadas de alimentar-se de tatus e esquilos por 300 anos, as não tão mais belas irmãs decidem voltar à ativa. Elas aparecem numa cidade como freiras, ganham a confiança de todos e fundam um abrigo para moças. Assim atraem suas presas. Mas antes mesmo que consigam concretizar seus planos terríveis, um poderoso comerciante da cidade oferece uma grande soma às irmãs para que recebam uma filha sua concebida fora do casamento como noviça, para assim abafar um escândalo. As Buonanotte, pressionadas, acabam tendo que  aceitar. E esse é o início de
 uma reviravolta no abrigo. A jovem filha do comerciante se mostra uma alma pura que, a despeito das dificuldades causadas pelas irmãs, traz em seu coração uma fé tão vibrante que transforma o que antes era uma armadilha numa genuína casa de caridade. Mas será que seu coração iluminado também seria capaz de modificar os corações das irmãs, que há séculos estão mergulhados nas sombras da vaidade e do egoísmo?  Entrada: 2kg de alimento + 1 pacote de fralda descartável.  Adquira já seu ingresso conosco.  INFORMAÇÕES E TROCA DE INGRESSOS: CLEJA - Clube do Livro Espírita Joanna de Ângelis Raimundo Santos Cel:(85) 9973.5760 E-mail: clejace@yahoo.com.br  SAÚDE E PAZ !

Qua(20) a Dom(24) de agosto - Teatro Via Sul - Fortaleza/CE

 A Mostra Brasileira de Teatro Transcendental é um evento artístico/cultural - com fins solidários - realizado anualmente no Estado do Ceará. Destina todo o resultado financeiro a instituições beneficentes. São dias de muita arte com a temática da espiritualidade, onde são abordadas lições de fé, amor e altruísmo. A Mostra apresenta espetáculos no teatro, bem como apresentações abertas ao público nos bairros da capital e nas cidades do interior do Ceará, exposições de arte, shows musicais e um workshop sobre artes cênicas entre os expoentes nacionais e a população local. A Mostra é uma iniciativa pioneira no Brasil.

Segundo o Dicionário Aurélio, Transcendental é tudo aquilo que ultrapassa os limites da experiência; metafísico; algo superior, muito elevado, excelso, sublime; que supõe-se a intervenção de um princípio que lhe é superior; que transcende do sujeito para algo fora dele; que se eleva além de um limite ou de um nível dado; que ultrapassa a nossa capacidade de conhecer. Portanto, Transcendental vai muito além da matéria, diz respeito à espiritualidade dos indivíduos. Mas para o público da Mostra Brasileira de Teatro Transcendental é tudo isso e muito mais: é arte, é cultura, é amor.

 Gandhi, a Ética Inspiradora/ SP - QUA(20/08): 19h30

A força desse personagem revela o crescente movimento pela introdução de princípios ético-filosóficos nas relações humanas.
Gandhi materializa uma consciência. Sua liderança nunca se baseou em autoridade ou coação. Acreditava que somente poderia pedir para as pessoas aquilo que ele mesmo pudesse fazer. Sabia que sua liderança viria do exemplo e do serviço. E os resultados simplesmente aconteceram. A força e a intensidade da sua biografia fizeram com que o projeto seguisse outros rumos, extrapolando as fronteiras do corporativo.

Encontros [im]possíveis/ RJ QUI(21/08): 19h30 / 21h30

Encontros Impossíveis é um espetáculo teatral de arte e tecnologia, que apresenta Adão – interpretado por Renato Prieto – um jornalista em fim de carreira, que ao receber visitas de grandes nomes da humanidade em seu apartamento – pessoas que sempre desejou entrevistar, mas que já morreram – começa a questionar  sua sanidade, suas escolhas e sua própria vida.
Com situações acontecendo dentro do apartamento do protagonista, Encontros Impossíveis é uma peça contemporânea em forma e conteúdo, com cenografia e uma tecnologia arrojada. Por meio de projeções serão trazidos ao palco personalidades que nos últimos dois séculos nos divertiram, nos fizeram chorar, refletir e nos ajudaram a enxergar a nossa relação com a vida e com o mundo.
Neste contexto o autor, numa orquestração perfeita entrelaçando diálogos de grande estranheza, impacto, provocação e humor, conduz o personagem Adão, um jornalista de meia idade vivido pelo ator Renato Prieto a contracenar com personalidades como Freud, Carmen Miranda, Marilyn Monroe, Judy Garland, Gandhi, Madre Teresa de Calcutá, Chico Xavier, Martin Luther King e Frank Sinatra.

A Hora do Adeus/ SP - SEX(22/08) 19h30 / 21h30 

peca-a-hora-do-adeus
Drama espírita baseado na obra de Ricardo Forni, coloca a discussão sobre os rumos da estrutura familiar baseada na ética, educação, álcool, drogas, aborto, adoção, solidariedade materna, falta de limites, morte por acidente de moto, irresponsabilidade, perdas de entes queridos, diferença de crenças e a convivência pacífica. Fernando, vinte e dois anos, filho único, vive em completa harmonia com sua mãe, de classe média alta, separada do marido. Perante a sociedade, um exemplo de vida correta e normal, bom aluno, trabalhador, responsável, na plenitude de sua juventude, atraente e charmoso, Fernando representa um garoto contemporâneo. No entanto, após sofrer um grave acidente de moto, acorda sem saber que local está e se depara com o lado oculto e obscuro de sua marcante personalidade onde é revelado em forma de flashbacks, e em retrospectivas inusitadas de grande impacto visual, a revelação a sua verdadeira faceta e de um perfil humano jamais imaginado. Os amigos, sua exagerada forma de convívio amoroso, seu envolvimento com a bebida e subjetivamente as drogas, a fixação incontrolável pela velocidade, sua indomável força para manter esses objetivos, e sua total descrença em dogmas religiosos, culminaram em um desfecho surpreendente, na concepção sobre a vida e a morte contida na filosofia, de que na vida é impossível morrer.

Donana/SP - SÁB (23/08) 19h30 / 21h30


DONANA, numa linguagem fluente, cômica, e muito simples, aborda um problema social falando da vida de uma anciã octogenária, mostrando a marginalização que sofrem todos os nossos idosos na sociedade que eles próprios ajudaram a construir, enfocando uma questão a qual ainda jovens podemos lutar.
Assim, o objetivo é de que, em nossa velhice, não venhamos alimentar frustrações, presos que fomos a tabus, e preconceitos cultivados por nossa sociedade.
DONANA consegue mesclar com perfeição a comédia e o drama, divertindo e emocionando, envolvendo totalmente a platéia com o domínio absoluto do ator, numa excelente performance e caracterização desta velhinha.

Elementos - DOM(23 e 24/08) - 15h

  
Elementos é um espetáculo de  variedades circenses, que  segue a linha do circo moderno, resaltando a  relação entre o circo, o  artista e os elementos  cênicos. Essa  fusão  em  harmonia  apresenta  uma  beleza  única,  expressada  através  de números virtuosos e cômicos,  que trazem a ludicidade e a  alegria ao picadeiro.
Cada  número  foi  preparado  pensando  em  transmitir  uma  mensagem  de coragem,esperança,  desafios, amor e alegria a  todos os expectadores.

As Irmãs Buonanotte - DOM(24/08) - 18h30 / 20h30

Três irmãs solteironas e completamente atrapalhadas levavam uma vida for a de suspeitas próximo a uma simpática vila rural, quando os moradores descobrem que elas são, na verdade, bruxas. E que usam a energia vital das moças da região para manterem-se vivas e belas pra sempre. Perseguem-nas então, e finalmente conseguem captura-las. Quando estão prestes a levá-las à fogueira, os moradores são ludibriados pelas artimanhas das Irmãs Buonanotte, que acabam fugindo e sumindo na floresta.
Cansadas de alimentar-se de tatus e esquilos por 300 anos, as não tão mais belas irmãs decidem voltar à ativa, e dessa vez bolam um disfarce melhor. Aparecem numa cidade como freiras, ganham a confiança de todos e fundam um abrigo para moças. Assim atraem suas presas. Mas antes mesmo que consigam concretizar seus planos terriveis, um poderoso comerciante da cidade oferece uma grande soma às irmãs para que recebam uma filha sua concebida for a do casamento como noviça, para assim abafar um escâdalo iminente e desastroso para os seus negócios. As Buonanotte, pressionadas, acabam tendo que aceitar. E esse é o início de uma reviravolta no abrigo.
A jovem filha do comerciante se mostra uma alma pura que, a despeito das dificuldades causadas pelas irmãs, traz em seu coração uma fé tão vibrante que transforma o que antes era uma armadilha numa genuine casa de caridade. Mas será que seu coração iluminado também seria capaz de modificar os corações das irmãs, que há séculos estão mergulhados nas sombras da vaidade e do egoísmo?
Nesse espetáculo nossa companhia pretende abordar os temas Fé e Caridade numa comédia muito divertida e cheia de referências a cenas clássicas do cinema.

Adquira já seu ingresso!

Entrada: 2kg de alimento + 1 pacote de fralda descartável
Adquira já seu ingresso nos stands dos Shoppings:
Via Sul, Aldeota, Benfica, North Shopping
Telefone: (85) 3260-5140

Iniciemos as postagens no Portal Senado. Fone correto: 0800-61-2211 - Seg(11/8) 9h: Aud. Púb. Legalização maconha! Vá, comente p/net e ligue!

Divulguemos essas importantes informações!

Seg(11/8) 9h: Aud. Púb. Legalização maconha! Vá, comente p/net!

Solicitamos a todos que, se possível, compareçam à audiência, já iniciem a postagem de comentários no portal https://www12.senado.gov.br/ecidadania/visualizacaoaudiencia?id=2481 e/ou liguem para 0800-61-2211 referente à Sugestão nº 08/2014 (horário de 8h às 19h).

Sua presença é muito importante. Leve cartazes e cartolinas contra a legalização.


Local Plenário nº 2, Anexo II, Ala Senador Nilo Coelho, Senado Federal.

Sugestão nº 8/2014, que trata da regulamentação do uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. O relator é o Senador Cristovam Buarque.


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA
SE MANIFESTA CONTRA A LEGALIZAÇÃO DA MACONHA


POR QUE A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP) É CONTRÁRIA À LEGALIZAÇÃO DA MACONHA:

1. Falta de estrutura para o tratamento de dependentes. O Brasil não possui uma rede comunitária ambulatorial e hospitalar para as pessoas que desenvolvem transtornos mentais ou de comportamento em decorrência do uso da droga. Com o potencial aumento do consumo, ocorrerá também um aumento do número de dependentes. É inadequado discutir modelos que funcionam em outras nações sem compreender a realidade de saúde brasileira.

2. Maconha é ainda mais danoso à saúde que o cigarro. Quem fuma maconha consome quatro vezes mais alcatrão do que se fumasse um cigarro de tabaco e cinco vezes mais monóxido de carbono, duas substâncias associadas diretamente ao câncer de pulmão.

3. Alto risco e impacto no desenvolvimento dos jovens. Dos 12 aos 23 anos, o cérebro está em pleno desenvolvimento. Quanto mais precoce o uso da droga, maiores são as chances de dependência. A ação da maconha nessa fase de formulação cerebral pode ser irreversível. Com a legalização deveria aumentar o número de usuários, especialmente entre os adolescentes. Quando usada na adolescência, o risco de dependência é o mesmo da cocaína, ou seja, 15%.

4. Maconha causa prejuízo a diversos órgãos e sistemas humanos. Estudo de 2012, conduzido pelo psiquiatra Ronaldo Laranjeira, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, apontou que a maconha multiplica por 3,5 vezes a incidência de desenvolvimento de esquizofrenia e também multiplica por 5 vezes as chances de desencadear no usuário o Transtorno de ansiedade.

5. Uso terapêutico da droga ainda está em fase de estudos. Há normas legais no Brasil referentes ao uso experimental de qualquer nova terapêutica, inclusive o eventual uso de derivados da cannabis. Sendo assim, bastaria cumprir essas normas para que seja possível cumprir tal finalidade sem a necessidade da legalização total da droga. Usar o falso pretexto de que a maconha faz bem é ingênuo e perverso. O que pode eventualmente vir a ser útil são substâncias extraídas da maconha, sem características alucinógenas, como ocorre com o Canabidiol, vendido em formulações a óleo e spray. A maconha fumada não possui nenhuma evidência científica com relação a sua eficácia terapêutica.

6. Não impacta na diminuição da violência. A legalização da maconha não é o caminho para diminuir a violência. As leis e as proibições não eliminam totalmente os crimes, mas diminuem sua incidência e o número de vítimas. Os países que endureceram as leis contra as drogas foram os que mais reduziram o número de dependentes e a violência. É assim na China, em Cuba, nos EUA e na Suécia, para citar alguns exemplos. E a legalização da maconha não influenciaria o tráfico, pois somente 20% do dinheiro do tráfico advém da maconha.

7. Ineficiência no controle de outras drogas, como álcool e o cigarro. O Brasil tem dificuldade na fiscalização da compra de cigarros e bebidas alcoólicas por adolescentes. De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer, 52,6% dos adolescentes já compraram cigarros, sem que na maioria dos casos lhes tenha sido solicitada a carteira de identidade. Quadro similar ocorre com a venda de bebidas alcoólicas. Com a legalização da maconha em nosso país, o mesmo ocorreria. Além do mais a legalização da maconha aumentará o número de acidentes e mortes no trânsito, segundo o estudo dos professores Mark Asbridge, Jill A Hayden e Jennifer L Cartwright: http://www.bmj.com/content/344/bmj.e536

8. Legalização não encontra respaldo em mais influente agência reguladora do mundo. A agência americana FDA (Food and Drug Administration) referência mundial no que diz respeito à saúde pública, se posiciona contrária à legalização ou ao uso da maconha fumada para fins terapêuticos. A legalização da maconha para uso medicinal é indefensável cientificamente e só parecer servir para justificar a legalização para o uso recreativo.

9. Desconhecimento do impacto que a maconha pode causar na estrutura psíquica do usuário. A droga, quando fumada, piora todos os quadros psiquiátricos, que já atingem até 25% da população, como depressão, ansiedade e bipolaridade. A maconha pode desencadear primeiras crises graves, mudando a história natural de doentes que poderiam viver incólumes a riscos transmitidos geneticamente.

10. Maioria dos brasileiros é contra a legalização. Recente levantamento nacional (LENAD 2012) mostrou que 75% dos entrevistados se disseram contrários à legalização da maconha. Pesquisa ainda mais recente (maio/2014), do Instituto Gerp, atesta que 69% dos moradores do Estado do Rio de Janeiro também são contra.


Por estes, entre outros motivos, a ABP se posiciona contra o Projeto de Lei que legaliza a maconha.


ENTIDADES QUE ASSINAM ESSE MANIFESTO:

Esse manifesto é assinado pela ABP, pela Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas - ABEAD e todos os médicos psiquiatras componentes da Comissão de Dependência Química da ABP, são eles: Ronaldo Ramos Laranjeira, PhD em Psiquiatria na Universidade de Londres no setor de Dependência Química e é professor titular do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP; Analice de Paula Gigliotti, Chefe do Setor de Dependências Químicas e Comportamentais do Serviço de Psiquiatria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro; Carlos Salgado, Especialista em Dependência Química pela UNIFESP; Marcelo Ribeiro de Araújo, professor e investigador principal da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas - UNIAD; Valdir Ribeiro Campos, Especialista em Dependência Química pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e Membro da Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais- CONTAD/AMMG; Pedro Eugênio Mazzuchi Ferreira, Coordenador do Ambulatório de Dependência Química do Hospital São Lucas PUCRS; Frederico Garcia, Professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG e Coordenador do Centro Regional de Referência em Crack e em outra Drogas; Ana Cecília Marques, Presidente do Comitê Multidisciplinar de Estudos sobre Dependência de Álcool e Outras Drogas da Associação Paulista de Medicina -APM e Presidente da ABEAD e Carla Bicca, Especialista em Dependência Química – FIPAD/UNIFESP.